Empreendedorismo inovador e sustentabilidade serão temas de minicurso da Conferência da Anprotec

Doutor em administração e mestre em engenharia de produção pela Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ, Celso Lemme é professor de finanças e sustentabilidade corporativa no Instituto Coppead UFRJ e será responsável pelo minicurso Sustentabilidade, Inovação e Liderança Empresarial, que acontecerá no dia 23 de outubro, durante a Conferência da Anprotec. Em entrevista, Celso falou sobre as expectativas para o evento, o tema escolhido para o seu minicurso e a cidade do Rio de Janeiro como protagonista da inovação no país. Confira!

 

Por que a escolha do tema Sustentabilidade, Inovação e Liderança Empresarial?

A ideia do tema foi aproveitar o evento para discutir as barreiras e os caminhos para o avanço da inovação e do empreendedorismo conectados a modelos de negócios sustentáveis. É uma oportunidade de discutir essas questões, buscar possibilidades, novas lideranças e discutir o impacto dos negócios sustentáveis na economia de um país.

 

Na sua opinião, existe uma maior movimentação no mercado em busca de negócios sustentáveis e inovadores?

Com certeza. Essa é um dos principais fatores que motivam o tema e a conferência. Estamos passando por um momento de transformações cada vez mais rápidas nas relações, nos empregos e na sociedade. O avanço tecnológico que decorre da inovação está sempre buscando um direcionamento e uma aplicação.

 

Para você, qual a importância em participar e ministrar um curso na conferência? Quais as suas expectativas?

Participar e ministrar um curso na conferência é motivo de muito orgulho e satisfação, pois ajuda a universidade a cumprir sua missão, que é gerar e disseminar conhecimento, contribuindo para a criação de um mundo melhor para todos. Tenho a expectativa de uma conferência com debates intensos e bastante participação do público. O conhecimento pode ser obtido e distribuído de diversas formas e meu interesse é ver esses diferentes caminhos refletidos na conferência.

 

Como você vê a relação entre o tema do evento Inovação e Empreendedorismo Transformando Cidades e o do Rio de Janeiro?

É muito positivo que o evento seja na cidade do Rio de Janeiro. O Rio tem a tradição de apontar caminhos, liderar avanços e mudanças na política, na economia e na cultura.  Nesse momento, o Rio de Janeiro passa por uma crise, mas a capacidade de reinventar tem ajudado a encontrar caminhos. É uma cidade que tem um protagonismo nas mudanças do país e por isso é a cidade perfeita para sediar um evento que tem como tema a inovação.

Anprotec convida para 27ª Conferência

O Presidente da Anprotec, Jorge Audy, convida a todos para participar do maior evento de empreendedorismo inovador da América Latina: a 27ª Conferência Anprotec de Empreendedorismo e Ambientes de Inovação, que será realizada de 23 a 26 de outubro, no Rio de Janeiro (RJ).

Comemorando o aniversário de 30 anos da Anprotec, o evento tem como tema central “Inovação e empreendedorismo transformando cidades”. Desafios, conquistas e histórias do empreendedorismo inovador brasileiro serão compartilhados ao longo da programação, que também propõe a reflexão sobre o futuro do movimento.

As inscrições podem ser feitas por este link.

Últimos dias para envio dos textos aprovados na primeira etapa da Chamada de Trabalhos

Os participantes aprovados na primeira fase da Chamada de Trabalhos devem enviar o texto completo em português e o resumo estruturado em português e inglês até o dia 28 de junho.

Os trabalhos selecionados serão apresentados na 27ª Conferência Anprotec, que será realizada de 23 a 26 de outubro, no Rio de Janeiro (RJ), no Centro de Convenções Sul América.

Comemorando os 30 anos de existência da Associação, a Anprotec e o Sebrae, em parceria com o Parque Tecnológico da UFRJ, realizarão o evento com o tema: “Inovação e empreendedorismo transformando cidades”.

O contexto carioca e as tendências globais na área de ambientes de inovação, que avançam para as cidades, criando espaços modernos para viver e trabalhar na sociedade do conhecimento inspiram a temática da Conferência Anprotec deste ano. Essa transformação, vivenciada em outras regiões do Brasil e do mundo, tem como base a criação de condições favoráveis à consolidação de uma nova economia. Surgem assim novos arranjos, ambientes, mecanismos de geração de empreendimentos e ecossistemas de inovação, que passam a protagonizar o processo de desenvolvimento. O resultado: cidades mais dinâmicas, inclusivas, empreendedoras e inteligentes, que respeitam as vocações existentes, criam fontes diversas de emprego e renda e, o mais importante, engajam a comunidade na busca por soluções para desafios locais e globais.

Discutir o papel a ser desempenhado pelos ambientes de inovação, ao envolver pessoas, novas ideias e tecnologias e fomentar o empreendedorismo, tanto nos novos mecanismos de geração de empreendimentos quanto nos modernos ecossistemas de inovação, no Brasil e no mundo, é a proposta da Conferência Anprotec deste ano.

A programação vai contar com as já tradicionais Sessões Técnicas Paralelas (STPs), dedicadas à apresentação de artigos completos e relatos de boas práticas. Adicionalmente, em virtude da celebração dos 30 anos da Anprotec, esta edição da Conferência será marcada pela apresentação de registros históricos de nossos associados, por meio da sessão Memória.

Confira o Regulamento da Chamada de Trabalhos e acesse a página de submissão de trabalhos.

Como o place branding pode alavancar ambientes de inovação

Fundador da Place for Us, primeira consultoria especializada em Place Branding do Brasil, e também a primeira startup certificada com o selo BCorpo I Pending de impacto social e professor de branding no IED-SP, Rio Branco, Alfa-GO e Senac, Caio Esteves ministrará o minicurso “From Real Estate to Branding”, na Conferência da Anprotec 2017, no dia 23 de outubro. Em entrevista, Caio fala sobre evento e a importância do place branding para a inovação e o empreendedorismo no país.

Qual é o foco do curso “From Real Estate to Branding”?

O place branding é o processo que aborda os lugares como marcas. Na minha definição, o place branding identifica vocações, potencializa identidades e fortalece lugares.

No curso discutiremos como essa disciplina pode alavancar os parques tecnológicos, afinal, a tecnologia e inovação são dois vetores possíveis para o desenvolvimento urbano, além de uma clara vocação em muitos casos. A dinâmica do minicurso envolverá apresentação de conceitos, discussões e trabalhos colaborativos.

Por que o place branding é tão importante para o empreendedorismo e os ambientes de inovação?

Falamos de identidade, esse é o elemento de ligação. Nesse sentido trabalhamos o alinhamento entre as identidades de marca, pessoas e lugares. Se pensarmos que as pessoas se relacionam com marcas, e a identidade é o pivô dessa experiência, podemos dizer que um parque tecnológico, por exemplo, que sabe qual é a sua identidade e seu posicionamento, é capaz de criar um relacionamento mais efetivo entre as pessoas e o lugar, ou mais do que isso, o place branding tem a capacidade de transformar os parques tecnológicos e ambientes de inovação em “lugares de inovação”.

Como na definição da geografia humanista, lugares são espaços dotados de significados, a identidade por sua vez é capaz de criar essa identificação das pessoas com os lugares e marcas.

De que forma o place branding pode alavancar esses ambientes?

Proponho uma reflexão: as marcas do Vale do Silício validam o lugar ou o Vale do Silício valida as marcas que lá estão?

Tanto marcas como lugar têm uma posição relevante e um posicionamento claro para as audiências. Hoje qualquer um que deseja ser (ou parecer) inovador procura uma forma de “colar” em alguma empresa do Vale. Esse movimento importa valor, tanto da marca quanto do lugar para a pessoa que lá está, e isso pode fazer diferença, aliás, já vimos isso acontecer.

Mas o mais importante talvez seja a ideia de que só existe um Vale do Silício, e que não faz sentido querer reproduzir esse conceito em outros lugares, importar uma solução pronta, simplesmente porque ela não funcionaria em outros lugares, da mesma forma que a identidade e posicionamento de uma cidade não funcionaria em outra. Se falamos de identidade e singularidade, falamos de olhar para dentro, procurar o que nos torna único enquanto lugar. Ao descobrirmos isso, conseguiremos nos comunicar de forma que as pessoas que tenham alinhamento de propósito possam se juntar a nós.

Se inovação é ecossistema, importa muito mais quem está com você do que onde você está geograficamente, por isso não falamos de território ou espaço e sim de lugares, daquele significado compartilhado por todos que neles se encontram.

Na sua opinião, o mercado já tem uma percepção da importância do place branding?

Infelizmente o place branding ainda é uma abordagem desconhecida por aqui, mas o cenário começa a mudar lentamente.

As mudanças na economia, nos hábitos de consumo e, ao mesmo tempo, a dificuldade das cidades e lugares em entender suas singularidades vêm comprovando a necessidade de pensarmos além da visão do marketing, que olha só para fora, e muitas vezes usa soluções compartilhadas por grande parte do segmento de atuação.

É preciso olhar para dentro, entender o que faz aquele lugar um lugar único, ou ainda o que faz daquele lugar um lugar de fato.

No mundo, até o mercado imobiliário tradicional, avesso a grandes inovações, entendeu que o lugar é um capital estratégico, e que as camadas de significado existentes nele são capazes de uma grande força de atração, alinhando mais uma vez, identidades de audiências com a identidade do lugar, ou seja, o place branding é o próximo grande diferencial competitivo e o melhor é que ele não pode ser copiado, uma vez que trabalha sobre uma matriz identitária.

De que forma o evento contribui para a inovação no país?

O que posso dizer é que um evento como esse que propõe um curso como o meu é, no mínimo, inovador, o que por si só, já o valida em relação a própria proposta de valor.

Cada vez mais a palavra inovação vem sendo usada sem maiores critérios, esse evento traz uma nova luz ao termo, discutindo profundamente o que significa inovar!

Minha expectativa, e sou sempre um otimista, é conseguir mostrar para os participantes a importância de olharmos para dentro de nossas marcas-lugar, na verdade, tratá-las como lugares e como marcas.

Aprovados na 1ª etapa da Chamada de Trabalhos

O Comitê Científico da Chamada de Trabalhos da 27ª Conferência Anprotec divulga nesta segunda-feira (05) a lista dos resumos aprovados na 1ª etapa. Comemorando os 30 anos de existência da Associação, a Anprotec e o Sebrae, em parceria com o Parque Tecnológico da UFRJ, realizarão o evento com o tema “Inovação e empreendedorismo transformando cidades”, de 23 a 26 de outubro no Rio de Janeiro (RJ). No total, 204 trabalhos forma aprovados.

Os autores selecionados devem enviar, até o dia 28 de junho, o texto completo em português e o resumo estruturado em inglês e português. O texto final deverá ser enviado até o dia 21 de agosto pelos aprovados na 2ª etapa.

A programação da 27ª Conferência Anprotec inclui as já tradicionais Sessões Técnicas Paralelas (STPs), dedicadas à apresentação de “Artigos completos” e “Relatos de boas práticas”, pré-selecionados a partir dos requisitos estabelecidos na Chamada de Trabalhos. Adicionalmente, em virtude da celebração dos 30 anos da Anprotec, esta edição da Conferência será marcada pela apresentação de registros históricos de nossos associados, por meio da sessão “Memórias”.

Serão selecionados, para publicação nos Anais do evento todos os Artigos Completos e Relatos de Boas Práticas que obtiverem nota superior a 7,0 (sete) na avaliação do Comitê Científico. Para apresentação oral, durante o evento, serão selecionados até 21 Artigos Completos (7 trabalhos por sessão temática) e até 12 Relatos de Boas Práticas. Os Relatos de Memória selecionados serão apresentados no evento e divulgados em canais específicos, a serem definidos por Anprotec e Sebrae.

Confira a lista dos resumos aprovados na primeira etapa.

Confira o Regulamento da Chamada de Trabalhos.

Estão abertas as inscrições para a Conferência

Interessados em participar da 27ª Conferência Anprotec de Empreendedorismo e Ambientes de Inovação, que será realizada de 23 a 26 de outubro, no Rio de Janeiro (RJ), já podem se inscrever no evento.

Comemorando o aniversário de 30 anos da Anprotec, o evento tem como tema central “Inovação e empreendedorismo transformando cidades”. Desafios, conquistas e histórias do empreendedorismo inovador brasileiro serão compartilhados ao longo da programação, que também propõe a reflexão sobre o futuro do movimento.

Na primeira fase, até o dia 1º de setembro, as inscrições estão com taxas promocionais. Na segunda fase os valores serão reajustados. Associados da Anprotec, em grupo e ou que apresentem trabalhos, também têm desconto na inscrição.

As inscrições podem ser feitas por este link. Os interessados devem escolher dentre as diversas atividades oferecidas: workshops, minicursos, fóruns, sessões plenárias, sessões técnicas e visitas técnicas. Assim, o custo total da inscrição será igual à soma do valor de cada atividade escolhida.

O evento, que é o maior encontro de empreendedorismo inovador da América Latina e um dos maiores do mundo, é realizado pela Anprotec e pelo Sebrae e contará, em 2017, com organização local do Parque Tecnológico da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

Site do evento

Já está no ar o site da 27ª Conferência Anprotec de Empreendedorismo e Ambientes de Inovação. O portal, que passa a ser atualizado frequentemente com diversas informações sobre o evento, está disponível neste link: www.conferenciaanprotec.com.br.

Aberta a Chamada de Trabalhos

Está aberta a  Chamada de Trabalhos da 27ª Conferência Anprotec. Os autores interessados em submeter trabalhos para avaliação pelo Comitê Científico do evento têm até o dia 24/04/2017 para enviar o resumo de artigos e relatos, com, no máximo, 500 palavras.

A programação da Conferência inclui as Sessões Técnicas Paralelas (STPs), dedicadas à apresentação de “Artigos completos” e “Relatos de boas práticas”, pré-selecionados a partir dos requisitos estabelecidos na Chamada de Trabalhos. Adicionalmente, em virtude da celebração dos 30 anos da Anprotec, esta edição da Conferência será marcada pela apresentação de registros históricos de nossos associados, por meio da sessão “Memórias”.

Serão selecionados, para publicação nos Anais do evento todos os Artigos Completos e Relatos de Boas Práticas que obtiverem nota superior a 7,0 (sete) na avaliação do Comitê Científico. Para apresentação oral, durante o evento, serão selecionados até 21 Artigos Completos (7 trabalhos por sessão temática) e até 12 Relatos de Boas Práticas. Os Relatos de Memória selecionados serão apresentados no evento e divulgados em canais específicos, a serem definidos por Anprotec e Sebrae.

Confira o Regulamento da Chamada de Trabalhos.

Clique AQUI para submeter seu trabalho.